quinta-feira, maio 18, 2006

Comida (americana) (primeiro prato)

O meu primo diz que os melhores restaurantes estão em NY, mas que também são pouco acessíveis monetariamente. A esses eu fico só com o conhecimento e experiência de terceiros.
O que se vê e se é praticamente obrigado a comer é a inevitável fast food. Ao fim de 2 dias já dizia que estava enjoada de comida de plástico e que queria comer saudável. Mas depois aperta a fome, a carteira tem de ser controlada e a oferta leva ao inevitável, pronto venha lá a fatia de pizza. Pelo menos, sendo a oferta alargada, havia muito por onde escolher, variedades de pizza menos habituais e apetitosas tanto para os olhos como para o paladar.
Praticamente tudo é em quantidades gigantes. As pessoas passeiam-se na rua com copázios de soda, refrigerantes, colas, cafés, aos litros. Sugeri ao Pedro pedir um café pequeno em vez do expresso (que é caro como o raio) e veio um copo de quase meio litro de café. E era o tamanho “pequeno”.
Não percebi a tara dos pretzels, a forma típica deve ter um significado que desconheço, mas impera em todo o lado. Eles comem só com mostarda por cima, nos carrinhos de hot dog nas ruas. Aquilo será bom? Não me apeteceu experimentar. E o Pedro também não quis o cachorrinho porque sem batata palha não tinha piada. Já a mana Sara tinha ficado desiludida com o dito, preterimos a experiência.
Tivesse eu Dunkin Donuts em cada esquina e tinha mais 10 quilos. Aquela oferta desmesurada de donuts de todas as cores e sabores dava comigo em doida. Gosto dos bolitos, fofinhos e cheios de cremes, recheios, pepitas… ainda provámos uns quantos, porque escolher só um era difícil. Macã, côco, limão, chocolate, creme de ovos, creme de Boston, recheio X, Y, Z com W, xpto com abcd…

JM