segunda-feira, julho 16, 2018

Viena – Schnitzel


Em Viena… WienerSchnitzel! Fomos jantar ao Gmoa Keller, espaço simpático e com esplanada para os dias quentes. Adoro um bom panado acabado de fazer, neste caso de vitela. Achei estranho ser com salada de batata fria, mas prueba superada em deixar o prato limpo! Teria sabido bem uma saladinha para desanuviar… O cordon bleue tinha bom aspecto e o prato com salsicha de sangue também foi bem apreciado. O menu era curioso… tinha cérebro, fígado, …
Para ser sauável (errrr…) maçã para a sobremesa… em formato de strudel J no café Schwarzenberg vimos uma a passar alagada em molho de baunilha, mas esta era sequinha, boa, melhor assim, menos sentimento de culpa :P

sexta-feira, julho 13, 2018

Viena – peões duplos


Por ocasião da organização do festival da canção em 2015, depois da Conchita ganhar, a cidade passou a ter umas passadeiras diferentes, variadas…
Ele e ela, ele e ele, ela e ela, com ou sem bike… e siga quando está verde! Se estiver vermelho eles não gostam que se passe… há regras para cumprir J

quinta-feira, julho 12, 2018

Viena – café Schwarzenberg


A cidade tem muitos cafés convidativos e fomos almoçar ao Schwarzenberg
A pastelaria tinha todo um ar requintado, mas em Viena há que fazer a prova à sacher torte… era ok, sendo a 1ª e já não comendo uma há muito anos… não há queixas. Acompanha-se com um apple spritzer (sumo de maçã com água gaseificada) e sentimo-nos locais J

quarta-feira, julho 11, 2018

Viena - vistas

Fds em Viena para visitar amigos, sem grandes planos, cirandámos pela cidade sem compromissos.
Entrámos nos jardins do palácio de Belvedere, passámos pela igreja Karls, pela Ópera (têm ecrã gigante na rua que transmite em directo, para ver ao ar livre, simpáticos!) e pela Catedral de St Stephen (um dia volto para subir).

A maior parte dos edifícios é monumental, enormes e pesados, em algumas ruas fazia lembrar S. Petersburgo. No centro passámos pela coluna dourada de praga (a epidemia), passámos no parque da cidade com o Kursalon e a homenagem a Johann Strauss. E uma igreja ortodoxa Russa, num bairro onde a 3min há outra Polaca e etc, com monumentos e memoriais quase em competição para assinalar quem foi mais vítima das guerras… todos em comunidade, mas também se vê muita mistura de culturas e religiões, em ambiente pacífico.

terça-feira, julho 10, 2018

Giethorn v2.0

Já tinha ido a Giethorn uma vez com amigos, e desta vez levei a mãe de uma amiga que queria lá ir. Fica a cerca de 1h30 de Ams, melhor arranjar um carrito, e depois escolhe-se um restaurante que anunciava barcos para passear, há muitos. 
Os Chinocas adoram aquilo, muita 3ª idade, algumas famílias e grupos de amigos. Desta vez fomos de barco com “tour”, na vez anterior alugámos nós e navegámos livremente pelos canais. 
Pecou pelo atraso a sair porque vinham mais pessoas e depois mais outras e… nunca mais saíamos… o sr lá diz umas coisas pelo caminho, a casa de onde punham o leite para os moradores, os barcos de madeira que são todos contruídos localmente e manualmente, também os canais e o lago foram todos criados manualmente, tendo só uma profundidade de 1m.

E no caminho de regresso vimos que vendiam morangos e fomos espreitar… uma máquina de morangos… moedinha ou nota, abre a janela, tira-se a caixa dos morangos (gigantes ou pequenitos). Eram a absoluta maravilha, dulcíssimos e perfeitinhos!

segunda-feira, julho 09, 2018

Yummy Hummus


O blog não é de comida, mas tem muita, eu sei, porque comer é bom e gosto de experimentar sítios novos e variados. Aqui vai outro J
O yummy hummus abriu há poucos meses na kinker e recomenda-se. Experimentámos um vegan (batata doce, cenouras, courgette, pimentos e tâmaras gigantes + pinhões) e um falafel (falafel, brócolos, beterraba, cebola caramelizada e courgette + romã). As pitas quentinhas e uma limonada da casa, faz um almoço óptimo, e saudável!

sexta-feira, julho 06, 2018

Burgers Bunsen


Fds com Americanos nunca é “saudável”, mas é sempre bom ter companhia que gosta de comer e experimentar coisas novas. Os hamburgers do Bunsen são simples mas muito bons. Consta que o dono passou 3 meses na América a provar tudo quanto era hamburger para se decidir sobre o melhor pãozinho, carne, cozedura, ingredientes…
O menu é simples, é o hamburger… com queijo chama-lhe cheeseburger. Ou duplo, com ou sem queijo. Para quê complicar um conceito vencedor?
O amigo “americano gigante”, diz que só cometeu o erro de pedir um duplo uma vez. O Holandês da mesa do lado pediu, mas não ficámos para ver se era capaz de o terminar…
Depois nas batatas podem ser as normais fininhas, grossas ou de batata doce. Os molhos do costume… com opção de vinagre que os de UK gostam muito… muito bom, não desilude!