terça-feira, setembro 02, 2008

SP - ideias gerais (parte 1)

As ruas sao largas, os edificios monumentais, fez-me lembrar... washington, porque cada edificio e’ quase um monumento, do tipo de ser construido muito “solido”, grande. Candeeiros bonitos. Mas em cada esquina havia obras, ruas cortadas, edificios tapados, avenidas em repavimentacao.

Nas passadeiras, uma vez que as avenidas sao largas, ha’ sentido para atravessar. Uma regra civica que da’ algum jeito, senao o sinal acaba e ainda estamos aos encontroes no meio da rua.

Notei muita poluicao, como ja’ nao estava ha’ muito habituada. Nao sei se e’ porque em Amesterdao ha’ pouca, com pucos carros e muitas bicicletas, ou se e’ porque ha’ muitos carros velhos com fumo preto e nao devem ter o sistema de IPOs.
As mulheres sao bonitas, quase sempre de cabelos muito compridos, mas vestem-se... de gosto estranho. E andam sempre de saltos altos, ate’ fazia impressao. Para alem dos sapatos ou sandalias serem quase sempre... feios... nao me pareceu muito pratico estar a visitar um palacio com varios hectares de jardins sempre em saltos altos. Nao se magoam?

Talvez por haver muita luz, os museus, parques e lojas abriam frequentemente ate’ ‘as 22h, e muitas funcionavam a 24h.
Era dificil perceber que lojas havia na rua. As internacionais conseguem-se reconhecer pelos simbolos exteriores. Mas muitas, geralmente supermercados, eram demasiado discretos. So’ espreitando la’ para dentro se percebia. Nao ha’ ca’ montras muito vistosas ou bancas de fruta ou jornais no meio do passeio ou da rua. Nao sei se por medo de roubos, muitas vezes os quiosques comunicam com o publico atraves de uma janelinha do tamanho de 2 maos abertas. Tudo esta’ na « montra », os diferentes (inumeros) tipos de bebidas, garrafas de meio litro para cima, cervejas, vodkas, refrigerantes. Chocolates, bolachas, snacks. Tabaco e outras utilidades. Era muito dificil encontrar fruta ‘a venda.
Regras... nem todas faceis de perceber!