quarta-feira, maio 13, 2015

Cru – A embarcação 1

Cru de cruzeiro, férias num “barco-hotel”. Para ir da cidade até ao porto, venha de lá outro barco, uma linha regular com algumas paragens.
O MSC Lirica (Mediterranean Shipping Company), não é dos cruzeiros de maior dimensão mas é suficientemente grande para impressionar (e desorientar) com os seus 13 andares e corredores compridos. Cerca de 1500 passageiros e quase metade em tripulação!
Um check-in semelhante ao do avião, identificação, etiquetagem de malas, foto para o sistema de segurança e cartão para todos os passageiros, com o nome, cabine, local de encontro para emergência, hora e mesa do jantar no restaurante com menu.
Infelizmente chovia à saída de Veneza, mas deu para ver a cidade de outro ponto de vista. Até daqui a uma semana! 
Exercício de segurança, com coletes, para ensinar as regras básicas em caso de incidente. No 1º dia sentia-se a ondulação do mar, é chato. Não foi mau o suficiente para enjoar, mas era desagradável.
As fotos profissionais começaram no check-in, acompanharam a simulação de segurança, as saídas em terra, jantares especiais e podia-se tirar fotos com profissionais em várias partes do cruzeiro. Boas recordações, com qualidade, mas muito muito caras.
Todos os dias recebíamos o programa debaixo da porta em Português (abrasileirado), com a meteorologia, hora de chegada/partida, mudança da hora, ponto de encontro para as excursões (caras), promoções, cocktail do dia, horário das actividades, tema das festas, filmes do dia. A tv tinha RTPi!

Por vezes lança a âncora perto de terra, por vezes atraca no porto, depende do destino. É bonito e elegante. Um número respeitável de elementos da tripulação, sempre simpáticos e educados, bem treinados. Muitos Brasileiros, alguns Italianos, Portugueses, Honduras... Todos falam muitas línguas, 3 a 5. Têm um trabalho difícil, sem descanso... não há férias ou dias de descanso durante uns 9 meses... esta rota vai-se repetir todas as semanas até Agosto. Depois têm 3 meses de férias... trabalhar num horário alargado sem descansar não soa bem, ainda que seja acompanhado de um salário muito agradável.


Vamos então a Split (Croácia), Santorini e Mikonos (Grécia), Dubrovnik (Croácia) e Ancona (Itália), regressando a Veneza.