segunda-feira, setembro 04, 2017

Évora

Depois da azáfama do salto e check-in no hotel (Stay Évora), em véspera de feriado, não foi fácil encontrar restaurante aberto e com vaga para um grupo grande. Já bastante tarde e a acusar cansaço-fome-sede-quebra de adrenalina, lá me recompus com um rabo de boi muito tenro e uma sericaia fofinha. Gostei muito dos quadros coloridos dos símbolos nacionais (Café Alentejo).
No dia seguinte fomos revisitar a cidade. Marcos do correio coloridos e tradicionais, ainda os há! A inevitável praça do Giraldo, a igreja e mosteiro de S. Francisco e o Palácio de Dom Manuel ao fundo.
Para visitar a famosa capela dos ossos, tínhamos de visitar primeiro a igreja, que tinha uma exposição de presépios muito gira de todo o mundo, uns muito simples, outros muito completos, coloridos e bonitos.
Já tinha visto os ossos em pequena, lembro-me de ser escuro e meio traumático, mas agora está tudo arranjadinho e com luz. “Nos ossos que aqui estamos, pelos vossos esperamos”. Não deixa de ser estranho, mas faz parte do ciclo da vida, um dia lá chegaremos… :/
Tinha ideia de ter estado dentro do templo Romano de Diana, em pequena, mas parece que isso nunca foi possível. A cidade está arranjadinha e tinha muitos turistas. 
Fomos ver também uma das partes da Universidade, onde há histórias de muitas festas divertidas, de quem lá estudou.