sexta-feira, novembro 15, 2013

Restaurante La Rive

A estreia em restaurante “normal” (depois do japonês) premiado com estrela Michelin. Em Amesterdão, o La Rive, no hotel Amstel, é muito conhecido. “Dress code tenue de ville”, chique, de negócios, um vestido resolve.
O hotel é muito bonito e imponente, tanto por fora como no interior, “chique a valer”!
2 opções de menu, La Rive Gauche (LRG) e La Rive Droite (LRD), cada uma escolheu um. A luz era muito ténue, por isso as fotos ficaram uma porcaria, com ou sem flash, tratamento amador posterior.
A ideia de que é comida de periquito, poucas quantidades... sim, de certo modo. Mas são 6 pratos no menu. Escolhemos a opção de 5, sem o prato intermédio de enguia fumada, beterraba, balsâmico e erva doce. Mas nunca são só os pratos do menu, vêm sempre mais “amuses” pelo meio.
Para começar, pão crocante e acabado de fazer, manteiga caseira com sal marinho e azeite “em forma de manteiga”, textura de manteiga, sabor a azeite.
E o problema de fazer os posts com 3 semanas de atraso é que se esquece dos ingredientes...
Sem anúncio, tivémos uns mini-magnuns com mousse de pato (associamos a gelado doce, mas não era frio e era “salgado”). E acho que era crocante de cogumelo com... não sei o quê por cima (informação muito útil...)
E um copo com... um tomate cereja que foi... congelado, pelado, caramelizado... uma imensidão de coisas. Mas se a sra não tivesse dito, eu não adivinhava que era um tomate... é o que dá ser estrela Michelin, desafia os sentidos, baralha-os e mostra coisas inovadoras (que dão um trabalhão a preparar!), e granizado de... tinha gengibre.

No sentido dos ponteiros do relógio:
Atum “albacore”, côco, caril tailandês, camarão (LRD)
Tártaro de vitela, couve-flôr, caranguejo, mostarda (LRG)
Filete de solha, limão, mexilhões, “vadouvan” (LRG)
Vieira, (pedi sem chouriço), cebola assada, lula (LRG)
Vitela com “sweetbreads” (“thymus”, timo?), manga, amendoim, coentros (LRD)
Lagosta europeia, “sunroot” (girassol batateiro???) manteiga, caviar de arenque (LRD)

No sentido dos ponteiros do relógio:
Pato bravo, abóbora, groselhas, café (LRG)
Pedindo um chá para desanuviar (a ordem das fotos não condiz com a ordem de servir), vem acompanhado de... mini nougat, mini bolinho de massapão (mergpijpjes), mini bola de goma de fruta, mini macarons, mini trufa de chocolate, mini bombom de chocolate. Tentei provar um de cada, só pela prova, já não tinha fome nem gulodice possível! E a tacinha de... nata com... (memória de galinha já esqueceu, mas não era espectacular, por isso não retive).
Amoras pretas, chocolate, mel e noz moscada (LRG)
Bife “Wagyu”, cebolas “cevenne” (do sul de França), rabo de boi, folha de louro (LRG) (em vez de bife de veado, couve coração, agrião, cogumelo)
À saída, um senhor ainda nos deu mais “comida”, “mints” caseiros com sabor a rosa e normais.
Marmelo, bolacha “speculaas”, laranja, avelãs (LRD). Era uma taça enorme!
Sobremesa sem anúncio, gelado de (não me lembro) com crumble de stroopwafels (as bolachas caramelizadas de cá).


Resumindo, menu de 5 pratos, antecipado de pão, com 2 entradas extra, mais 2 sobremesas extra, mais chocolates e bolinhos, mais mints... Dividindo tudo pelo preço, quantidade servida, excelência de apresentação e sabores, qualidade dos ingredientes, experiência... paga-se muito mas é justo! Sonhava com o prato de queijos, com muita fama, mas não foi humanamente possível arranjar espaço. Talvez com mais pausas, que foi algo que criticámos ao serviço. Foi sempre um atrás do outro, sem tempo para descansar ou digerir. Adorei a experiência e um dia volto, mas com escolhas pontuais do menu (menos!) e prato de queijos no fim!